PEDRAS

Tudo acontece no meio do caminho
E no meio do caminho tinha uma pedra
Pedra de poeta ou pedra de pedra
Um caminho de pedras pode gerar perdas
Ou ganhos
Ninguém sabe
Eu mesmo não sei
Pedras, pra que te quero?
Se pedras vão rolar
Se pra voltar deixo pedras no chão
Pedras, pra que me queres?
Se minha alma não é de pedra
Se meu coração não petrifica
Se fica parada abraçando tua onda
Ou se vira pedregulho em outro chão
Pedras, pedras, pedras…
Meu nome não é Pedro
Tampouco Petrônio
Sou pedreiro da tua leva
Que me leva aonde eu for
Sou apedrejado por ter opinião
Se não a tenho, sou como pedra
Pedra, me diz teu mistério
Me diga porque és dura
Mas me diga porque és bela
Não piso em ti à toa
Porque és meu chão
Por vezes cabe na mão
Não vai sobrar pedra sobre pedra
E queira sim, queira não
No meu caminho sempre tem pedra
Te piso, te quebro ou fujo?
Não sou caramujo, caranguejo ou caranguejeira
Mas é na tua trincheira
Que me fortaleço como pedra.

João Aranha

17/08/2012

Publicado em: Poemas

Tagged as: ,

Um comentário em “PEDRAS Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s