O Último Poema

Sim, é o último
É o último poema
O último do poeta
O último de tantos últimos
Que ficou para trás
Que ficou por último
Último por tentar ser o primeiro
O derradeiro, o por inteiro
Inteiro de paixões
De um ser apaixonado
Bestificado com o seu coração
Último por estar atrasado
Fadado ao fim da fila
Amarrado ao pé da vida
O ultimato da poesia
Da sensibilidade sem hipocrisia
O primeiro dos últimos
O último dos primeiros
Não o antepenúltimo
Nem o penúltimo
Mas o último
O último poema
A última estrofe
O último verso
O último gesto
Do último sentimento
Do último momento
Do último amor
E sem dor
Parto com louvor
Seja lá onde for
Com as últimas palavras
Com as últimas letras
Volto para a minha bolha
Escrevendo na última página
Com a última tinta
Na última folha.

João Aranha
06/04/2010

7 comentários em “O Último Poema Deixe um comentário

  1. Cara, não sei se foi de propósito ou não, mas eu comecei a ler do ULTIMO verso pro primeiro, ficou genial tbm… hahaha

    1. Obrigado, cara! Vou ver seu blog e depois te falo.
      Quanto ao poema, eu fiz sem essa intenção, mas resolvi ler desta forma que você fez, e não é que ficou interessante?…rs.
      Valeu, cara. Obrigado pelo elogio.
      Abraços,
      João Aranha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s