FRIOZINHO

Sol_no_Inverno

Frio que vem da manhã
Que acalenta a alma
Que aquece
Que acalma
Que sente a brisa gelada
Na face alva
Levemente ruborizada pela época
Flor que cai no vespertino
E no olhar do pássaro inquieto
Que se cobre pelas penas
Ainda fortes contra o vento
Céu azul de ar gelado
E do meu lado, outra folha cai
O frio não sai
Vem, fica e traz o Sol
Aquecendo o corpo quente
E na gente
A gente sente
Esse frio querido
Um bom amigo
O Sol abaixa, fica laranja
Bate o reflexo nos olhos baixos
Hora mágica que pede poesia
E no gostoso fim de tarde
Um bolo de fubá, um café preto
Uma prosa sem pretensão
Na varanda, na cidade, no sertão
Vem friozinho, some não
Faz teu ofício
Traz tua neve pro Sol trabalhar
Mostra na pele o Sol brilhar
Fica paisagem da folha seca
Na poesia do campo
Nos prédios, no altar
Morro grande, sereno forte
E se tenho sorte
Volto a te encontrar.

João Aranha

15/06/2009

Publicado em: Poemas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s