A HORA É AGORA

relogio

Não sei dizer o porquê, mas tem horas que as horas somem. Fico horas a esperar elas chegarem e, quando chegam, em questão de uma hora, várias foram embora. Hora, pra que te quero? Pra ter-te mais, pra curtir-te mais, pra aproveitar as horas cheias, cheio de coisas cheias. Coisas que levam horas pra fazer, que ora é proveitoso, ora é perdido.

E no balanço das horas, uma hora elas acabam. Oro para que eu tenha mais de ti, para que não perca a hora. Afinal, se oras várias horas pelas horas, não aproveitas e perde-as. Oras bolas, se tudo tem sua hora, então espere, oras. Uma hora ela chega.

Escrevi essa bobagem em um sexto de hora.

Por hora, é isso.

João Aranha

22/06/2009

Publicado em: Poemas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s